Abdominoplastia

51_0_20576900_1363845201A abdominoplastia visa a correção funcional e estética da parede abdominal. Dependendo do tipo de anormalidade, pode ser necessária a correção dos elementos profundos, musculares, ou os da superfície, com a retirada dos excessos gordurosos.

No homem também ocorrem alterações da parede abdominal, fundamentalmente por conta de flacidez da musculatura e devido ao acúmulo gorduroso na porção abdominal inferior abaixo da cicatriz umbilical.

Quando gestações sucessivas causam alterações na parede abdominal da mulher, ou quando, tanto na mulher quanto no homem, o excesso de depósito de tecido gorduroso desencadeia uma saliência não estética, ou ainda, após um extenso emagrecimento, o excesso de tecidos resultantes no abdômen pode exigir correção. Nessas situações, cabe ao cirurgião plástico a correção desses defeitos.
O tipo de anestesia a ser utilizada nessa intervenção cirúrgica pode ser combinada com o cirurgião ou com o anestesista em uma visita pré-operatória.

Como é feita a cirurgia?

Durante a cirurgia é realizada uma incisão com o mesmo posicionamento da que habitualmente é utilizada na cesariana. Entretanto, é importante frisar que a incisão utilizada na abdominoplastia é bem mais longa.

É feito então um descolamento amplo em toda a parede anterior e lateral do abdômen. Com este campo operatório preparado, a parede muscular pode ser examinada detidamente e as alterações corrigidas minuciosamente.
Em geral, a hospitalização para esse tipo de procedimento cirúrgico dura de dois a três dias.

Como é o pós-operatório?

Durante as primeiras semanas de pós-operatório, o paciente não deve realizar esforços físicos, pois existe o risco de abertura das suturas realizadas na musculatura. Depois desse tempo, gradualmente o paciente vai voltando à sua vida normal, e os esforços podem tornar a fazer parte da sua rotina.

A cicatriz resultante dependerá fundamentalmente da qualidade de cicatrização desse paciente em particular. Cada indivíduo apresenta uma peculiaridade especial no que diz respeito à cicatrização. Existem indivíduos que após uma cirurgia desse tipo ficam com uma cicatriz quase imperceptível.

Outros, entretanto, formam cicatrizes hipertróficas ou queloideanas que alteram o resultado final satisfatório do procedimento. Claro que sempre existirá a possibilidade de tentativa de melhoria dessas cicatrizes. A cicatrização é um fenômeno que depende de elementos intrínsecos e extrínsecos. Os fatores extrínsecos dependem do cuidado com o manejo dos tecidos. Os fatores intrínsecos dependem fundamentalmente das características genéticas e pessoais do indivíduo. Existem situações em que, apesar de todos os cuidados, o resultado das cicatrizes não é de boa qualidade, pois as características do indivíduo não permitem uma cicatrização esteticamente satisfatória.

Pular para a barra de ferramentas