Mentoplastia

59_0_12540600_1364961203O que é mentoplastia?

A mentoplastia é a cirurgia, estética ou funcional, para correção de deformidades no mento ou queixo. Podem ser anomalias do crescimento, deformidades adquiridas por traumatismos ou outras doenças. A cirurgia pode ser feita para retroposicionar, avançar, encurtar ou alongar o queixo, corrigir desvios ou alterar a forma.

Fatores genéticos, ou características familiares e raciais, têm papel preponderante no estabelecimento da forma do queixo. Traumatismos, seja na infância afetando o crescimento ou fraturas que alterem a estrutura do mento, também são fatores que causam certas deformidades.

Como se faz o diagnóstico dessas deformidades?

O diagnóstico das deformidades é feito pelo médico a partir de queixas específicas do paciente. Nos casos de anomalia do crescimento, na maioria das vezes, além do exame clínico é necessário realizar uma telerradiografia de perfil e póstero-anterior com cefalometria, para se chegar uma conclusão. Quando a deformidade é pós-trauma, a tomografia computadorizada também deve ser utilizada para um diagnóstico preciso. É importante ressaltar a necessidade de uma correta avaliação para diferenciarmos a deformidade pura do mento da deformidade de toda a mandíbula (quando há alteração na “mordida” ou oclusão dentária). Este engano de avaliação é comum e pode ser danoso para o paciente, pois o tratamento é diferente para uma e outra alteração.

Como é feita a cirurgia?

Como em toda a cirurgia estética, a indicação de tratamento deve partir da vontade do próprio paciente, isto é, o tratamento das deformidades estéticas só deve ser feito por auto-indicação. O papel do cirurgião plástico é estabelecer se os anseios do paciente são reais, que tipo de tratamento é mais indicado para cada caso e mostrar que este é um tratamento médico, com todas as suas características (limitações, riscos). A idade mínima para a correção é a adolescência. Nos casos em que a deformidade é causada por traumas ou malformações congênitas este prazo normalmente é muito abreviado.

O tratamento cirúrgico, na imensa maioria das vezes, pode ser feito através de cortes internos na boca, sem cicatrizes externas. A pele é descolada e um corte é feito no osso para que ele possa ser reposicionado e fixado. No final a pele se acomoda à nova estrutura. Raramente pode ser necessária a utilização de enxertos de osso da própria pessoa. Os pontos são todos internos e normalmente não precisam ser removidos.

Outra opção para a mentoplastia é a utilização de materiais aloplásticos ou próteses. A vantagem deste método é que a cirurgia é um pouco mais simples. As desvantagens são: a utilização de um material estranho ao organismo e o custo do material.

A anestesia pode ser local, local com sedação, ou geral. A escolha do método de anestesia, sempre em comum acordo com o anestesista, levará em consideração o tamanho da cirurgia, as condições clínicas e psicológicas do paciente. Apesar de poder ser realizada em caráter ambulatorial (alta hospitalar logo após a recuperação da anestesia) é mais seguro e cômodo para o paciente permanecer a primeira noite no hospital.

Como é o pós-operatório?

Os cuidados pós-operatórios variarão segundo a magnitude do procedimento efetuado.
O paciente fica com um curativo, esparadrapo de papel (micropore), por um período de 5 a 7 dias.
Sempre haverá um inchaço, maior nos primeiros 2 dias, que gradativamente vai diminuindo. Em geral, de 7 a 10 dias é o tempo suficiente para o paciente retornar às suas atividades sociais e laborais. É importante ressaltar que as alterações de cicatrização e acomodação dos tecidos em seu novo local seguem por mais algum tempo.
Pelo menos três meses são necessários para se observar o resultado final do tratamento.

Pular para a barra de ferramentas