Notícias

Plástica: reparando a autoestima

Nenhum comentário

A cirurgia plástica classicamente pode ser dividida em dois grupos: reparadora e estética. O denominador comum entre ambas é a possibilidade de melhoria da qualidade de vida dos pacientes, com o fortalecimento da autoestima.
O fato é que quando a mudança é feita em problemas estéticos e reparadores reais, isso reflete em seu bem-estar, melhorando a sua autoimagem.

“A plástica pode atuar como importante fator de qualidade de vida nos casos em que a procura pela cirurgia decorre de um problema estético real. Em tais circunstâncias, de fato há uma substancial melhora da autoestima do indivíduo. No entanto, há que se fazer uma ressalva para os casos em que há projeção por parte do paciente, que credita a uma parte de seu corpo sua insatisfação ou má adequação social”.

Por exemplo: se uma criança corrige um problema de orelha de abano que a incomodava, principalmente, por conta dos comentários dos amiguinhos, a mudança aumentará sua autoestima. Mas, se uma pessoa muito magra busca o cirurgião para fazer uma lipoaspiração porque se sente gorda, a plástica não vai resolver a insatisfação.

Muitas vezes, a linha que distingue um problema real de outro imaginário é tênue e cabe a cada pessoa, junto com seu médico, avaliar o quanto a atrapalha, em sua vida diária, um problema que, aos olhos dos outros, pode parecer pequeno.

Há casos em que a questão estética é concreta como, por exemplo, uma queimadura, e há outros em que é subjetiva, como o tamanho das mamas para as mulheres que querem ficar seios menores ou colocar próteses de silicone – mas o sofrimento é real nas duas situações.

“No Brasil, um país tropical em que o corpo é desnudado mais do que no hemisfério norte, a cobrança estética é maior”.

As mais pedidas

As queixas são mais recorrentes de acordo com a faixa etária. É o caso da plástica de nariz, chamada de rinoplastia, em mulheres jovens. “É incomum que a pessoa chegue à idade madura sem ter corrigido antes esse problema que a incomodou ao longo de uma vida inteira”, exemplifica o dr. Cukierman. “Da mesma forma, a cirurgia de abdome é mais comum em mulheres com a família já formada. E a correção de pálpebras, a blefaroplastia, e de face, ritidoplastia, é mais procurada por homens e mulheres mais velhos”, conclui.

Cada cirurgia plástica requer um pré-operatório específico, exigindo exames adequados, que devem ser orientados e acompanhados de perto pelo médico responsável.

Fonte: SBIB

Tags: Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Cirurgia de correção de cicatriz: procedimento melhora aparência destas marcas
Otoplastia corrige as chamadas “orelhas de abano”
Leia mais
Menu